Discovering a new world

When I did my first race, in 2013, I had no idea what running would become my passion. It was all very fast, strange. He was working at a well-known restaurant in central London and the company started to prepare a team to represent the company. I, having no idea what it was, signed up just for taking a break, paid and with my colleagues. I had no idea what I was getting into. It felt like a walk in the mountains. It just seemed …

Days before the race, the person in charge of the team had shown us a video to prepare us regarding the type of race we were going to do. Although the obstacles were frightening, no one gave up and the team was very excited. As I said, we worked in a downtown restaurant, always full and the idea of spending a day in the mountains was much more attractive than the rush of work.

The race was the worldwide famous “Tough Mudder”, one of the most popular obstacle race in the world at that moment

The race was crazy, from start to finish, 21 km in the mud, going nearly straight away in an artificial pool with water below zero full of ice, more than 20 obstacles of various types. Carrying weight uphill, clay everywhere, having to cross on two occasions through electrical wires that were not just ornaments, they gave proper shock even more if you were all wet as was the case. It felt like torture and I enjoyed it all and what caught my attention the most was that everyone was happy, dirty, muddy all over, many hurts because some obstacles were not easy, but everyone smiling, helping each other, encouraging others runners even when they dont know each other, that will be forever recorded in my memory.

Exactly like the TM motto : “ Tough Mudder is not a race but a challenge. I help my fellow mudders complete the course. I overcome all fears”

Imagine you leave your house to do an activity and come home a totally different person and I am not talking about the dirt on your clothes or your injuries, but about the difference that a simple activity like that can cause in your life. I was going to have fun, play and on the return trip I already felt something changing in me. I had discovered something I could do at any time of the day, whether or not I had someone to run with me. More than running, getting into the mud, jumping into clay pools, I was able to face any obstacle, no matter how scary it was and for me that was wonderful because my whole life I was afraid of the ridiculous, the rejection, the failure and from that moment, everything took second place. I wanted to run, motivate others, have fun and destroy my ghosts.

I’ll never gonna hide again, even less escape!

The next day, most of those who took part in the race took a free day and I, who hadn’t thought about it, had to work early. To my surprise i was in perfect condition, a little sore but nothing absurd. Proud, I carried my orange headband, a Tough Mudder award (orange it’s only the first, as someone runs the race more often, the color changes as if it were a martial arts belt) Detail, you only get the headband if you complete the race, no matter how or in how many hours, but you need to face these last electric wires and cross the finish line, the feeling is indescribable.

My first race is gonna be always remembered like the one who open my eyes to a new world…

Since that afternoon in 2013, 8 years have passed, I often thought about what I could do to motivate, to help people and I never decided to start, mainly because I thought that no one would pay attention to me or believe me for not having the corridor prototype that we imagine it to be the ideal. Today, at almost 41 years old, I can understand that motivating someone goes beyond stereotypes. What to motivate and something that not everyone can do. And I learned that people will listen to you if you are humble and know how to talk to them. This is my mission and I will endeavor to reach as many people as possible.

Until the next post!

A descoberta de um mundo novo

Quando fíz minha primeira corrida, em 2013, não fazía idéia do que correr ia se tornar minha paixão. Foi tudo muito rápido, estranho. Estava trabalhando num conhecido restaurante no centro de Londres e a companhia começou a preparar um time pra representar a empresa. Eu, sem ter nem noção do que era, me inscrevi só pelo fato de pegar uma folga, paga e com meus colegas. Nem imaginava no que estava me enfiando. Parecia como se fosse um passeio nas montanhas. So parecia…

Dias antes da corrida o responsável pela equipe tinha nos mostrado un video pra nos preparar referente ao tipo de corrida que a gente ia fazer. Embora os obstáculos fossem assustadores, ninguém deu pé atrás e a equipe estava muito empolgada. Como já falei, trabalhavamos num restaurante do centro, sempre cheio e a ideia de passar um dia nas montanhas era muito mais atrativa que a correria do trabalho.

A corrida era a mundialmente conhecida “Tough Mudder”, uma das mais famosas corridas de obstáculos no mundo naquele momento..


A corrida foi uma loucura, do inicio ao fim, 21 km na lama, entrando logo no começo numa piscina artificial com agua abaixo de zero cheia de gelos, mais de 20 obstaculos de varios tipos. Carregando peso colina acima, barro pra tudo lado, tendo que atravessar em duas ocasiões pelo meio de fios elétricos que não eram so enfeite, davam choque mesmo, mais ainda se você estivesse todo molhado como era o caso. Parecia uma tortura e eu disfrutei demais de tudo aquilo e o que mais chamou minha atenção, era que todo mundo estava feliz, sujos, embarrados, muitos machucados até porque alguns obstáculos não eram nada fáceis, mas todo mundo sorrindo, se ajudando, puxando outros corredores mesmo não conhecendo a pessoa, isso ficou gravado pra sempre na minha memoria.

Como bem disse o slogan da corrida: “Tough Mudder não é uma corrida, é um desafio. Eu vou ajudar meus companheiros a completar o percurso. Vou superar todos meus medos”

Imagina você sair da sua casa pra fazer uma atividade e voltar pra casa uma pessoa totalmente diferente e näo falo da sujeira na roupa nem dos machucados, mas sim da diferença que uma simples atividade como aquela pode provocar na tua vida. Eu ia pra me divertir, brincar e na viagem de volta já sentia algo mudando em mim. Tinha descoberto algo que eu podia fazer a qualquer hora do dia, tivesse ou näo alguém pra correr comigo. Mais do que correr, entrar na lama, pular em piscinas de barro, eu era capaz de encarar qualquer obstáculo por mais assustador que fosse e pra mim isso era maravilhoso porque a minha vida toda tive medo do ridículo, da rejeição, do fracaso e a partir desse momento isso tudo passou a segundo plano. Eu queria correr, motivar outras pessoas, me divertir e destruir meus fantasmas.

Eu nunca mais ia me esconder de nada e muito menos fugir!

No dia seguinte, a maioria dos que participaram da corrida pegaram dia livre e eu, que não tinha pensado nisso, tive que trabalhar logo cedo. Pra minha surpresa estava em perfeitas condições, um pouco dolorido mas nada absurdo. Orgulhoso, carreguei minha “headband” laranja, premiação característica da Tough Mudder (laranja e so a primeira, a medida que alguem faz a corrida mais vezes, a cor vai mudando como se fosse uma faixa de artes marciais) Detalhe, você só recebe a headband se completar a prova, näo importa como nem em quantas horas, mas você precisa encarar esses ultimos fios eletricos e cruzar a linha de chegada, a sensação é indescritível.

Minha primeira corrida sempre vai ser recordada como aquela que me abriu os olhos de um mundo novo…

Desde essa tarde de 2013 passaram 8 anos, muitas vezes pensei no que podia fazer pra motivar, pra ajudar pessoas e nunca decidia começar, principalmente porque pensei que ninguém ia me dar atenção ou acreditar em mim pelo fato de não ter o prototipo de corredor que a gente imagina ser o ideal. Hoje, com quase 41 anos, consigo entender que motivar alguém vai além de estereotipos. Que motivar e algo que nem todo mundo consegue fazer. E aprendi que as pessoas vao te escutar se você é humilde e sabe como falar com elas. Essa é minha missão e vou me esforçar pra conseguir chegar no maior numero de pessoas possiveis.

Até o próximo post!

How to deal with the lack of support?

One of the most difficult things to face when starting an activity is the fact that not everyone will understand you, let alone support you. Regardless of what you start to do, there will always be someone who will pull you back with negative comments or simply telling you that it is not worth trying, that it will not work or sometimes, even saying that you are not good enough to take a chance. This hurts a lot, and it hurts even more when it comes from people you least expect. Imagine how wonderful it would be to start a venture or activity and everyone cheering for you, your family, your friends, everyone. It would be perfect but that is not how it happens most of the time.

I remember when I started Taekwondo back in Chile in 95. I already had problems with my weight, my self-esteem was not the best and as soon as I took my first exam, I remember my stepfather’s comments: “you should forget that”, “ you have no agility for the martial arts ”. To make matters worse, my grandfather instead of defending me, also put me down, leaving me in a level of discouragement that made me give up after 5-6 months of training although I liked it a lot. Years later, specifically in August 2007, already in Brazil, when I finally surrendered and passed the black belt, it was impossible not to remember those words and “incentives”. As well ? I should be angry, right? In fact, this is personal and for me, this negative energy that came so close, discouraged me and made me give up but I did not forget my dream and the long-dreamed black belt is mine and nobody takes it off.

The same thing has been happening since I started running. This time the comments do not come from my family, but from people I know, who think that from the comfort of their homes they can give an opinion regarding what I can or cannot do. I had coworkers who made jokes for months due to my obsession training at dawn or sometimes when I traveled after work to another city just to participate in a race. He was called crazy. I heard it a thousand times: “you run and run and remain fat”, “what do you run for? It never wins ”. Comments like that are normal and I believe that I am not the only runner who experiences this.

The important thing is what you are going to do with these comments. Will you let people discourage you or will you keep trying to achieve your goal? It doesn’t matter what you crave. It can be from losing a couple of kilos, to running professionally. Does not matter. The goal is yours and the victory is yours alone. Don’t let anyone get in your way. Don’t even think about giving up.

Your “black belt” is waiting for you …

Running to survive…

Thank you very much for joining me. In this space I will bring a little of my life since I started running, how it all originated, what was the reason, difficulties, achievements, medals, kilos less, kilos more and above all the fact that just running it won’t save your life but it will make it a lot better and fun. Let’s go!

How it all started …

I never had an athlete’s body, since my childhood the problem of extra kilos has always been a constant. I never tried diets because at that time the fever for the perfect and healthy bodies that exists today still didn’t start. I tried to play football, tennis and nothing. I had no ability and my physical condition did not help. I was not obese but my belly and lack of agility made me give up any sporting attempt right away, although I loved all sports, especially football.

When I left Chile with my family ( to Brazil) I was 20 years old and I decided to start again with Taekwondo, a martial art in which I had taken my first steps but i ended up given up, guess why. Yes. My body just didn’t follow me.

With a lot of effort and dedication, I managed to climb and grow at TKD, arriving in one of my biggest sporting victories up to that moment, the longed for Black Belt. It was a tremendous accomplishment, especially since at the time I already worked as an assistant at a gym in the region where I lived. I was a good instructor but deep down in my being I knew my limitations and I knew that over the years (I was 27 when I passed the black belt) the mobility and agility so necessary in a martial art would not increase much. At that time I had already reached my maximum height, 1m74 and was in the range of 80-85 kilos. With a lot of perseverance I left taekwondo and a year later, beginning of 2009, I started the biggest adventure of my life. Change country for a third time, this time to England. Needless to mention, after quitting the martial arts, I reached 106 kilos, something that depressed and terrified me deeply, not to mention the damage that this caused to my self-esteem.

Arriving in England, stress washed over me. New country, new culture and although I already spoke English, I had no contacts. Without friends, away from family and without work, the physical condition only got worse.

I decided to enroll in a gym, I needed to try something and even though I never ran, I rode on the treadmill and to my surprise I managed to complete 3km! It was a tremendous surprise! I had never done that in my life, tried sports, played basketball in high school but then ran 3km without stopping … I was shocked, I decided to try again the next day and even doubting, I managed to do 3km again which made me very proud although in in terms of weight and fitness, of course he had achieved nothing.

I started going to the gym and even though I had little idea of what I was doing, I kept trying. In the meantime, I was still without work and I was forced to cancel the gym which made me very sad even though I had already decided to start running in the street.

Since that day, there have been more than 600 running training sessions, including the ones I did at the gym and including the races I have already completed.

In this blog, I want to talk about many things that I hope can help you. How was my first run. My biggest challenges. I’ll be posting some of the medals and telling some fun anecdotes.

I hope, with all my heart, to contribute and motivate those people who think they are not able to run “or to catch the bus”! Believe me, I did it! And you can do it with me!

A big hug and good run!

Como lidar com a falta de apoio?

Uma das coisas mais dificeis de enfrentar quando se começa uma atividade é o fato de que nem todo mundo vai te entender e muito menos te apoiar. Independente do que você começar a fazer, sempre vai ter alguém que vai te puxar pra trás com comentarios negativos ou simplesmente te dizendo que não vale a pena tentar, que não vai dar certo ou as vezes, inclusive chegando a dizer que você näo é bom o suficiente pra se arriscar. Isto dói e muito, e dói mais ainda quando vem de pessoas que você menos espera . Imagina quão maravilhoso seria começar um emprendimento ou atividade e todo mundo torçer por você, sua familia, seus amigos, todos. Seria perfeito mas não é assim que acontece na maioria das vezes.

Lembro de quando começei a treinar Taekwondo lá no Chile em 95. Eu já tinha problemas com meu peso, minha autoestima não era das melhores e assim que fiz meu primeiro exame, lembro os comentários do meu padrastro : “você devia esquecer isso”, “você não tem agilidade pra as artes marciais”. Pra piorar, meu avô ao invés de me defender, também me colocou pra baixo, me deixando num nivel de desánimo que me fez desistir após 5-6 meses de treinamento embora gostasse muito. Anos mais tarde, específicamente em agosto de 2007, já no Brasil, quando finalmente rendi e aprovei pra faixa preta, foi impossível näo lembrar daquelas palavras e “incentivos”. Como assim ? Eu devia ter raiva, né? Na verdade, isso é pessoal e pra mim, essa energía negativa que veio de tão perto, ne desanimou e me fez desistir mas não esqueci meu sonho e a tão sonhada faixa preta é minha e ninguém tira.

A mesma coisa vem acontecendo desde que começei correr. Desta vez os comentários não vem da minha família mas sim de pessoas conhecidas, que acham que desde o conforto das suas casas podem opinar referente a que eu posso ou não fazer. Tive colegas de trabalho que fizeram piadas por meses devido a minha obsessão treinando de madrugada ou as vezes quando viajava após o trabalho pra outra cidade só pra participar em alguma corrida. Era chamado de louco. Escutei mil vezes : “você corre e corre e continua gordo”, “ você corre pra qué? Nunca ganha” . Comentários assim são normais e acredito que não sou o único corredor que experimenta isto.

O importante é o que você vai fazer com esses comentários. Vai deixar as pessoas te desanimar ou vai continuar tentando no seu objetivo? Não importa o que você almeje. Pode ser desde perder um par de kilos, até correr profissionalmente. Não interessa. O objetivo é seu e a vitória e só sua. Não permita que ninguém atrapalhe teu caminho. Nem pense em desistir.

Tua “faixa preta” está esperando por você…

A jornada começa…

Muito obrigado por me acompanhar. Neste espaço vou trazer um pouco da minha vida desde que começei a correr, como isso tudo originou-se, qual foi o motivo, dificuldades, logros, medalhas, kilos a menos, kilos a mais e por sobre tudo o fato de que só correr nao vai salvar tua vida mas vai fazer ela bem melhor e divertida. Bora!

Como foram os primeiros passos…

Nunca tive corpo de atleta, desde minha infância o problema dos kilos extras sempre foi uma constante. Nunca tentei dietas porque naquela época ainda não comecava a febre pelos corpos perfeitos e saudáveis que existe hoje. Tentei jogar futebol, tennis e nada. Não tinha habilidade nenhuma e meu estado fisico não ajudava. Não era obeso mas a barriga e a falta de agilidade me faziam desistir logo de qualquer tentativa esportiva, embora amasse todos os esportes em especial o futebol.

Quando mudei de pais com a minha familia (do Chile pra o Brasil) tinha 20 anos e decidi recomecar com Taekwondo, uma arte marcial na qual tinha dado meus primeiros passos no Chile e da qual tinha desistido, adivinhem porque. Pois sim. Meu corpo simplesmente não me acompanhava.

Com muito esforço e dedicação, consegui escalar e crescer no TKD, chegando numa das minhas maiores vitórias esportivas até aquele momento, a tão sonhada Faixa Preta. Era uma tremenda realização, especialmente porque na época eu já trabalhava como assistente numa academia da região na qual morava. Era um bom instrutor mas lá no fundo do meu ser eu sabia das minhas limitações e sabia que com o passar dos anos (eu ja tinha 27 quando aprovei pra faixa preta) a movilidade e agilidade tao necessarias numa arte marcial nao iam aumentar muito. Nesse momento eu já tinha atingido minha estatura máxima, 1m74 e tava na faixa de 80-85 kilos. Com muito pessar larguei o taekwondo e um ano depois, inicio de 2009, dei inicio a maior aventura da minha vida. Mudar de pais por terceira vez, dessa vez pra Inglaterra. Nem preciso mencionar que depois de parar com as artes marciais eu cheguei nos 106 kilos, algo que me deprimia e assustava profundamente, sem falar nos estragos que isto causava na minha autoestima.

Chegando na Inglaterra, o stress tomou conta de mim. Novo país, nova cultura e embora ja falasse inglés, não tinha nenhum contato. Sem amigos, longe da família e sem trabalho a condição física só piorava.

Decidi me inscrever numa academia, precisava tentar alguma coisa e mesmo nunca tendo corrido, montei na esteira e pra minha surpresa consegui completar 3km! Foi uma tremenda surpresa! Nunca na vida tinha feito aquilo, tinha tentado esportes, joguei basquete na época do colégio mas daí a correr 3km sem parar… tava chocado, decidí tentar novamente no día seguinte e mesmo duvidando, consegui novamente fazer 3km o qual me deixou muito orgulhoso embora em termos de peso e condicionamento físico, lógicamente não tinha atingido nada.

Começei a frequentar a academia e mesmo não tendo muita noção do que estava fazendo, continuava tentando. Enquanto isso, continuava sem trabalho e me vi forçado a cancelar a academia o que me deixou muito triste embora já tinha decidido me largar a correr na rua.

Desde esse dia, já se foram mais de 600 treinos de corrida, contando com os que fiz na academia e incluindo as corridas que já completei.

Neste blog, quero falar de muitas coisas que espero possam te ajudar. Como foi minha primeira corrida. Meus maiores desafios. Lesōes. Obstáculos. Estarei postando também algumas das medalhas e contando algumas anécdotas divertidas.

Espero, de todo coração contribuir e motivar aquelas pessoas que pensam que não são capazes de correr “nem pra pegar o ónibus”! Acredite, eu consegui! E voçê vai conseguir junto comigo!

Um forte abraço e boa corrida!